Como emagreci 22 quilos e recuperei a minha autoestima

Emagreci, pois, era um fardo pesado demais, me olhar no espelho e me sentir mal. Na adolescência eu era magra. Em minha família não tem obesos. Já aviso que esse artigo não impulsiona a gordofobia. Tão pouco dá força pra ditadura da magreza.

É apenas um relato pessoal de como me sinto hoje, 22 quilos mais magra. Tenho 1,72 centímetros de altura. Em janeiro de 2016 eu estava com 98 quilos. Dores nas costas, dores e formigamento nas pernas, os pés inchavam todo fim de tarde. Mesmo indo a lojas plus size, me sentia mal.

Aquele não era o meu corpo natural. A má alimentação estava me causando problemas de saúde como pressão alta e má circulação. Ser gorda não me incomodava até eu olhar pro espelho e me sentir horrível. Até me vestir com roupas plus size e apesar de ouvir “tu tá linda” da vendedora e me sentir um botijão.

Eu me sentia mal. Emagreci porque era o melhor a fazer. Depois de tentar em anos anteriores, por volta dos 26 anos a perder peso da forma errada – tomando remédio. Aos 28 anos, fazendo a famosa dieta do iogurte – que na verdade, a médio e longo prazo, te engorda. De pensar até em fazer bariátrica – estive num consultório de uma nutróloga que me deu essa solução.

Fiz o correto: reeduquei a minha alimentação. Remédios emagrecem sim, pois alteram o seu sistema metabólico. A dieta maluca do iogurte e qualquer dieta louca que prometa 20 quilos a menos em 30 dias, funcionam também. Não vou ser hipócrita aqui de negar isso.

Mas depois, você engorda de novo. Os remédios te atrapalham a pressão, o sono, te dão irritabilidade, te afetam o estômago. Algum efeito colateral, vai causar. As dietas loucas funcionam porque qualquer diminuição de alimentos que você faz em 30 dias, você emagrece ao menos uns 5 quilos.

E a bariátrica, claro: faz emagrecer 30 quilos em um mês. Mas ela é indicada pra quem tem problemas para emagrecer. Meu caso é só falta de vergonha na cara mesmo. Se na sua família não tem obeso e você nasceu magro (a), você é que nem eu: só precisa se convencer de fazer o certo.

Em fevereiro de 2016, comecei a jornada. A melhor da minha vida. Reeduquei a minha alimentação. Passei a fazer atividades físicas. Conheci os produtos deliciosos da Herbalife. Frequentar o consultório da minha nutricionista. Emagreci no primeiro mês, ainda trocando alimentos e testando o que eu ia gostar, 6 quilos. Nesse artigo contei sobre os primeiros meses.

O primeiro mês é o mais difícil, mas a natureza do nosso corpo é tão bem planejada, que é o mês que mais emagrecemos. A partir do segundo mês, eu já tinha o resultado do primeiro e foi mais fácil seguir o caminho certo.

Emagreci mais 3 quilos a cada mês. Hoje, março de 2017, emagreci 22 quilos no total. Sou outra pessoa, hoje peso 76 quilos. Mais confiante, com a autoestima recuperada e tenho inspirado amigas a fazerem o que eu fiz. Não é milagre, é foco e determinação.

Alguns hábitos que adquiri e emagreci:

  • Passei a me alimentar a cada 3 horas;
  • Me alimento com frutas e verduras;
  • Como não gosto de peixe, como frango e carne só uma vez por semana;
  • Cortei o refrigerante;
  • Bebo sucos naturais de verdade, da fruta mesmo;
  • Uso shakes, chá, pudim e fibra da Herbalife;
  • Parei de descontar na comida a ansiedade;
  • Quando a vontade de comer doce grita, como banana amassada.

Sou universitária, não tenho condições financeiras de comprar doces fit e ingredientes em lojas especializadas para ajudar na reeducação alimentar. Então compro frutas da estação e bebo muita água. Gelatina também é bom, com maçã picadinha fica algo pra mastigar. Saudável!

 

Uma amostrinha da diferença:

 

Aí alguém pode dizer: “ah, mas você já comia bem”. Não mesmo! Com 98 quilos, bebia todas as manhãs, Coca-Cola “pra acordar”. Comia hambúrgueres e fast food sempre. Aqui em Porto Alegre se come bem por pouco, se comprados os Buffet à Minas Gerais, meu Estado Natal.

Os restaurantes aqui servem, com Buffet livre, em sua maioria: almoço, carne, doce, sorvete, suco e refrigerante. Olha, precisa ter muito foco pra entrar numa dieta e permanecer até chegar ao objetivo.

Guaraná antarctica em casa, era mais consumido que água. Refeições era prato cheio. Chocolate era todo dia. Biscoito recheado à revelia também. Eu comia muito errado. Hoje como pratos como um que leva alface, frango e torrada e é uma delícia. Em meu instagran, sempre compartilho sobre os alimentos que uso.

Fácil não foi e não é, não passo fome, só me reeduquei. Mas com foco, emagreci 22 quilos e a meta é 30 quilos. Vou chegar lá. E se você é como eu, sem obesos na família e não tem doença que te impeça de emagrecer, é só decidir seguir o caminho.

Cada roupa menor que eu visto, é uma vitória. A cada olhada no espelho e gostar do que vejo, sinto que vale à pena cada torta não comida, cada brigadeiro não feito na panela e comido, cada refrigerante negado. Consegui emagrecer com força de vontade e autodomínio.

Não é impossível.