Alou Risqué! Faz tempo que nosso mundo não gira em torno dos homens, fia!

Risqué, querida, que foi que houve? Nosso mundo não gira em torno dos homens! Se inspiraram nas latinhas de Coca-Cola e pensaram “opa, vamos nessa que vai dar certo”? Já vou avisando que praticamente nenhum homem vai ficar procurando o nome no vidrinho do esmalte ou a frase. A da Coca foi um sucesso. A de vocês foi um gol contra! O povo que criou a campanha é infiltrado da concorrência? Esmalte é algo restrito ao mundo feminino, colocar nome de homem com atitudes que vocês julgaram ser dignas de aplausos como fazer janta, mandar sms, pedir em casamento e chamar pra sair, foi uma bela bosta! A maioria dos homens nem sabe que esmalte tem nome. A real, é que eles estão cagando e andando pro nome do esmalte!

Faz tempo que nossa vida não circunda em torno dos homens. Que tarefas domésticas são divididas. Essa campanha talvez fosse aplaudida de pé, no tempo das nossas avós, viu?! Aprendemos a caminhar com nossas próprias pernas. E hoje, se perceber que o cargo de presidente desse País, é ocupado por uma mulher; que tem muita mulher trabalhando na obra de construção civil, fazendo massa de cimento mesmo; tem as que são chefes de família sozinhas, sem homem… E N tarefas que “era coisas de homens” e as mulheres fazem normalmente, vão notar que muita coisa mudou nesse mundo.

O tempo das cavernas se foi. Homem fazer jantar hoje é tão normal quanto “dar uma mijada”, como dizem eles. Mandar msg é coisa corriqueira também. Dizer que ama, faz parte de uma relação saudável. Fazer pedido, se é de uma pizza quando chegamos do trabalho mortas de cansaço, faz mais auê que o de casamento! Ou vocês acham que estamos viradas em Marias Claras (novela império)? Não estamos! Não vivemos mais em função de casar!

Somos nós, mulheres que piramos com as cores, estamos atrás de novidades pra unha e queremos sempre inovar. Mas fazemos isso pra nós, pra nossa autoestima, por gostar de nos cuidar. Pro nosso bem-estar em primeiro lugar; em segundo, pra abafar e ganhar das outras, dependendo da ocasião; em terceiro, pra combinar com a roupa, seja de cima ou de baixo; em quarto, pra ficar de acordo com a película de unha que compramos; talvez, em centésimo lugar, pro homem ver. Às vezes, eles participam da escolha da cor, quando a mulher é casada e faz a própria unha. Mas sem dizer nomes. Pode ser “azul jeans do céu” que dizem simplesmente “azul”. O máximo de participação deles, quando o assunto é esmalte, com sucesso, é essa. Ou, quando dizem que tá lindo. Ou vocês são do tipo que dizem que vídeo game é coisa de homem? Faça-me o favor né!!!

Eles nem sabem que tem que limpar com o palito, acham que dói, que fazemos unha semanalmente por sermos viciadas. Vocês erraram tanto que excluíram completamente as mulheres que se relacionam com outras mulheres. Elas então, não têm direito de usar os esmaltes de vocês? Eles são só pras que se relacionam com homens? Essa campanha foi tão ridícula e de mentes medíocres, que fez da mulher e do homem, meros objetos. Ficou provado isso twitter afora. Até comentário de homem dizendo “Péssimo descobrir dessa forma que esmalte tem nome. Faço janta sempre. Pra mim, por ter fome”. Ou “Não quero minha namorada usando esmalte com nome de outro”. E ainda “A janta é pra mim e pro nosso filho, ela toma herbalife”. Tentaram atingir um público que não dá a mínima pros nomes dos esmaltes.

Como diz o nome da merda da campanha “homens que amamos” ainda com explicações no site… “Amamos” esses homens por fazer essas tarefas cotidianas? E eles “são tão inúteis” que merecem tributo por isso?

Diferença na nossa vida, se o relacionamento é hetero, é o homem nos olhar, enquanto estamos gripadas, com o rosto inchado, a voz alterada e os olhos lacrimejando (praticamente a visão do inferno mesmo, com a cara do demo!); com o mesmo olhar de quando estamos vestidas, maquiadas e penteadas para “matar”. Diferença, é o homem ver novela com a gente. Diferença, é o homem correr atrás do nosso sorriso. É ficar feliz, se recebemos uma promoção e passamos a ganhar mais que ele. Esse tipo de coisa sim, faz a diferença.

E por favor, não façam mais isso, de querer homenagear homem em produto restrito ao mercado feminino, como se fôssemos robôs, tanto nós, quanto eles. Ficou muito feio tudo isso! Não sou feminista. Só achei muita idiotice a campanha e as frases nos esmaltes.

(publicação feita no blog antigo, referente a linha de esmaltes lançada pela Risqué, em março de 2015)